Linhas de Vivência

Vivência by Rosarinho

Vitalidade: Alegria de viver, ímpeto vital (energia disponível para a acção), integração motora, equilíbrio neurovegetativo.

O movimento é a expressão básica da vida e surge inicialmente em função da necessidade de sobrevivência, que leva um organismo a mover-se no sentido de permanecer vivo.

Relaciona-se directamente com as primeiras experiências da criança no que diz respeito à sua expressão através do movimento.

Se esta for deixada livre para correr, saltar, trepar, dançar…tenderá no futuro a buscar a expressão de si mesma através do movimento. A permissão ou inibição para mover-se livremente lançará as bases para a consequente organização e desenvovimento vivencial, estimulando ou inibindo a sua expressão em termos de vitalidade e ímpeto vital.

A Vitalidade relaciona-se também com a alimentação e com o desenvolvimento da selectividade alimentar. Com a vitalidade equilibrada, o organismo procura a satisfação das suas necessidades de nutrição de forma instintiva e natural, tendendo a escolher alimentos saudáveis e ricos em sabor, na quantidade necessária à manutenção do seu equilíbrio.

A alimentação adequada e a alternância entre trabalho e repouso são as expressões básicas de vitalidade do organismo humano.

Sexualidade: Despertar a fonte de desejo, aumento do prazer, conexão com a identidade sexual, diminuição da repressão sexual.

Esta linha de vivência desenvolve-se a partir do instinto sexual e evolui a partir do contacto e das carícias que a criança recebe desde o nascimento.

As sensações prazerosas que decorrem do contacto corporal com a mãe durante o acto de mamar ou durante o banho, permitem que a criança se perceba como um organismo inteiro, completo, capaz de sentir e de ter percepção de si mesmo e do mundo como fonte de prazer (e de organização).

Estímulos prazerosos dos sentidos (sensuais) são também factores significativos para o desenvolvimento da linha de vivência da sexualidade: saborear os alimentos, mergulhar nas águas do mar, andar descalço, rebolar na terra, caminhar na natureza, receber uma massagem, espreguiçar-se…

Criatividade: Capacidade de expressar, inovar e construir.

A linha de vivência de Criatividade desenvolve-se a partir do instinto exploratório, o impulso inato que o ser humano tem de procurar o novo, estímulos diferentes, novas vivências e sensações, de mover-se no novo e, nesse processo, também de modificar a realidade em que se move.

Se a criança for deixada livre para explorar o ambiente que a rodeia e for estimulada a expressar-se através de sons, da palavra, da pintura, do desenho, da escrita, da música, da dança…estarão criadas as condições favoráveis para que esta linha de vivência se venha a desenvolver em todo o seu potencial.

A criatividade pode expressar-se de várias formas: a poesia, o trabalho ciêntifico, a música, o canto, a dança…mas a essência da criatividade é o acto de nos criarmos a nós mesmos enquanto seres que vivem no mundo: a criatividade aplicada à nossa existência e aos actos do quotidiano. Esta decorre do próprio acto de viver. Num mundo em permanente transformação a criatividade dá-nos a capacidade de, a todo o momento, nos adaptarmos e renovarmos, modificando a forma como percebemos e nos expressamos no mundo.

Roda da Vida by Rosarinho

Afectividade: Capacidade de criar vínculos através do amor, amizade, altruísmo e empatia.

A linha de vivência de Afectividade desenvolve-se a partir do instinto gregário. Manifesta-se através do sentimento de vinculação com os outros membros da espécie e com a totalidade da vida.

Para um bebé, afectividade e nutrição encontram-se indissociavelmente ligados. A criança amamentada que sente sente o calor e a protecção da sua mãe, sente-se amada e em segurança.

A partir desta sensação inicial de continente afectivo, a criança irá desenvolver segurança em si mesma, tornando-se capaz de vir a estabelecer relações de confiança e respeito mútuos, baseadas na percepção do outro como um ser pleno e à nutrição e estímulo desse outro.

A ausência de segurança afectiva nessa fase da vida irá manifestar-se na dificuldade em confiar, em vincular-se com os outros, em aceitá-los na sua diferença.

O Amor como sentimento indiferenciado de vinculação fortalece a nossa própria singularidade de seres diferenciados e únicos dentro da unidade do todo e do semelhante.

Mas além de existir entre indivíduos da mesma espécie, o amor é a força que vincula todos os “portadores de vida”. Todos os seres vivos merecem a mesma consideração, respeito e amor. Os organismos são diferentes na sua estrutura e organização mas, essencialmente, a vida que nos anima é uma só.

Transcendência: Conexão com a natureza, sentimento de pertencer ao universo.

A linha de vivência de Transcendência desenvolve-se a partir do instinto de fusão. Manifesta-se na capacidade de nos sentirmos parte integrante de um todo maior.

A experiência de crescer num ambiente tranquilo e nutritivo, vivenciando a harmoniado contacto com a natureza, irá criar a base para um bom desenvolvimento da linha de transcendência.

Transcender é “ir além”, expandir os próprios limites. Em Biodanza o conceito de transcendência refere-se à superação da força do Ego e ir para além da auto-percepção, ampliando a percepção e a compreensão das coisas, para nos identificarmos com a unidade da natureza e com a essência das pessoas.

Os Ecofactores

Na expressão desse potencial humano comum, que assume formas diferenciadas em cada indivíduo, intervêm factores internos ao organismo e factores ambientais, que podem permitir ou inibir a sua expressão: a esses factores ambientais chamamos Ecofactores.

As experiências vividas nos primeiros seis meses de vida (protovivências) e na primeira infância influenciam significativamente a expressão desses potenciais, assim como toda a envolvente familiar, cultural, geográfica e as experiências que cada indivíduo venha a ter ao longo do seu percurso de vida.

Quando estes contribuem no sentido de potencializar o desenvolvimento e expressão desses potenciais, falamos de Ecofactores Positivos.

Quando estes contribuem no sentido de inibir ou desorganizar o seu desenvolvimento e expressão, falamos de Ecofactores Negativos.

As sessões de Biodanza concentram um conjunto de Ecofactores Positivos que estimulam o desenvolvimento integrado dos potenciais genéticos.

A Biodanza, ao ajudar-nos a desenvolver, potencializar e integrar os nossos potenciais por meio de vivências de alegria, paz, plenitude, afectividade, permite-nos também identificar os factores de desorganização e limitação (hábitos de vida nocivos, ambiente poluído, relações e emoções tóxicas), assim como a perceber quais as condições que nos nutrem e nos deixam plenos, procurando integrá-las na nossa vida.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s